Relações de gênero na escola

Gênero na Escola - O programa debate a relação entre gêneros na escola e a importância dessa temática para a comunidade escolar. Também serão discutidas as diferentes metodologias a serem adotadas pelo professor em seu trabalho pedagógico, com o objetivo de incentivar o respeito e a igualdade de direitos entre os gêneros. 2010. TV Paulo Freire.

Acorda Raimundo, acorda.

O curta “Acorda, Raimundo!” traz uma inversão dos papéis masculinos e femininos. O homem cuida da casa, das crianças, da roupa e da comida e a mulher trabalha em uma mecânica e chega tarde da noite em casa e bêbada, porque estava no bar com as amigas. As situações têm certa dose de humor e provocam a reflexão sobre diversas questões da relação entre homem e mulher que muitas vezes são consideradas “naturais”, mas são “sociais” e podem resultar em violência doméstica.

Gênero e outras formas de classificação social

As vezes com nossos pequenos gestos ou atitudes cotidianas, sem perceber, reforçamos desigualdades e a hierarquia de gênero, para não falar em preconceito e estereótipo. Os homens e as mulheres não são iguais em todos os lugares do mundo, a cultura humaniza a espécie.

Se quisermos contribuir para um mundo justo em que haja equidade de gênero, devemos estar atentos para não educarmos meninos e meninas de maneiras radicalmente distintas.

A escola tem a responsabilidade de não contribuir para o aumento da discriminação e dos preconceitos contra as mulheres e contra todos aqueles que não correspondem a um ideal de masculinidade dominante, como gays, travestis e lésbicas, por exemplo. Por isso, educadores e educadoras são responsáveis e devem estar atentos a esse processo.

Além da vivência da sexualidade, há outro domínio em que se percebe a incisiva influência do gênero na construção social da identidade juvenil: o ingresso no mercado de trabalho ou a escolha da carreira profissional. As escolhas e as oportunidades profissionais não são ditadas por determinações "naturais" ou "biológicas".

Em alguns setores apenas se reduziu o nível de desigualdade. Quando consideramos as mulheres negras, os dados são ainda mais impressionantes. Quanto maior a escolarização, maior a diferença salarial entre estas e os homens, mas também entre as próprias mulheres, estando as mulheres brancas em posição de maior vantagem. Esta situação demonstra como a segregação social combina elementos étnico raciais e de gênero.